Número total de visualizações de página

terça-feira, 19 de maio de 2009

Ao meu PROFESSOR SERRANO

Quem sou eu?
Sou de facto um dos seus antigos alunos, da 4ª classe, do ano lectivo de 1970 /71, na escola primária de Penamacor. Acabei de ler todos os seus trechos, publicados no seu blogue, e não tenho dúvida alguma, o Sr. é realmente quem eu penso. Se o Professor Serrano, ainda recorda a forma como por vezes dispunha os elementos da turma, frente à sua secretária, em forma circular e em pé, para as chamadas orais, colectivas, invariavelmente, à sua direita ficavam sempre os mesmos dois alunos. Lembra-se?
Infelizmente, há muito que um já partiu, Deus assim o quis. Era o Manuel André. Eu, o José, era o companheiro do Manuel André na ala direita.
Mais, o meu pai, afim de evitar o desgaste prematuro das minhas "alpergatas" ( calçado de luxo na raia ) com uns pontapés na bola, achou que a melhor forma de evitar que tal sucedesse, seria ocupar-me o tempo com umas explicações, extra horário escolar. Foi o Sr., além de meu professor, também meu explicador.
Quis o destino, ainda num passado recente, que o tenha visto em Penamacor, na papelaria Seguro.
Reconheci-o, falei-lhe, e surpreendente mesmo, foi o professor Serrano, depois de puxar pela memória, ter-se recordado do meu nome completo. Que memória prodigiosa.
Sabe agora quem sou?
Creio que sim.
Professor Serrano, que me diz da ideia de tentar reunir toda a nossa turma da 4ª classe, quase 40 anos depois, e fazer uma almoçarada-convívio, recordar aquelas tão bem dadas e necessárias "réguadas" com a "menina dos cinco olhos", (como doíam naqueles gélidos dias de inverno) tempos em que a Escola ensinava, educava e o Professor/a era uma autoridade, Homem ou Mulher de respeito, cantar os "vivas", etc..., em Penamacor, em data a combinar. Poderá ser, no restaurante "O Quartel". Perdoe-me o atrevimento, mas já leu o meu trecho "Crime no Quartel"?
Que o meu trecho, não seja motivo, para não ser o local eleito.
Aguardo a sua douta opinião.
Com um abraço amigo
Zé Morgas

1 comentário:

  1. Oh!!!!! Zzzééé!!!!
    Tinha quase a certeza de que era TU!!! Pena de não ter arriscado um palpite... Mas o que interessa é estarmos unidos e prontos para mais esta etapa de partilha da escrita e de vida. Na foto, não vi aqueles cabelos encaracolados e rebeldes, os olhos luminosos a quererem saber mais - nem sempre com o maior esforço - e o teu grande companheiro e meu Aluno de eleição, em 47 anos de ensino, o nosso querido e saudoso Manuel André. O que eu chorei, quando tomei conhecimento de que já não estava connosco, abraçado a seu Pai. E depois sozinho.
    Com certeza que já me perdoaste as reguadas, mas os tempos eram outros. Hoje, digo melhor, há já muitos anos, entendi que não faziam sentido. Mesmo na educação dos filhos, dei uma grande volta; os 3 primeiros levaram umas palmdas e o nº. 4 nem sabe o que isso é. "Não vale a pena chorar sobre leite entornado"...
    Já li o texto "crime no quartel" e deixei comentário. Devo ainda acrescentar que achei brilhante a ideia de enquadrares e comparares as vistas de várias partes do Mundo, julgo que em 4 continentes, 3 de certeza, para elevares a vista magnífica que dá para Sul do nosso Concelho, até Idanha e mesmo C. Branco, lá bem ao longe. Daí que dê todo o meu aplauso à iniciativa de nos juntarmos, num almoço, com os alunos da nossa turma, de 1970-71, e afins - porque não das duas 4ªs classes desse ano lectivo? - servindo-me qualquer data. Infelizmente, perdi o contacto com a maior parte, mas não deve ser difícil retomá-lo, como aconteceu agora contigo. Em boa hora!
    Um dos próximos trabalhos do blog falará desses tempos, numa especial homenagem ao Manuel André e a vós todos. Foram 3 anos muito bonitos da minha vida, esses que vivi em Penamacor. Lá me nasceu um dos filhos, agora com 40 anos, precisamente em 21 de Abril de 1969. Zé, um grande abraço e até um dia destes. Já agora: citaste tantas terras que não descobri onde moras. Tenho casa em Palmela e serás sempre bem vindo. E os teus pais? Da tua Mãe não me lembro, mas vejo o teu Pai "claramente visto", quase 40 anos atrás!

    ResponderEliminar