Número total de visualizações de página

terça-feira, 1 de outubro de 2013

Carta Aberta XXXI - Sr. Presidente C.M.Penamacor

Sr. Presidente em fim de mandato

À excepção das vezes em que votei para a eleição do presidente do clube da minha paixão, e que sempre acertei, é sina minha votar nas autárquicas, confesso que nem sempre cumpri com a assiduidade que é minha obrigação, em candidatos que nunca foram eleitos.
Com pena minha, porque os candidatos vitoriosos, defraudaram e derrotaram sempre as expectativas e esperanças de quem os elegeu, dando-me a razão pelo benefício da dúvida que as minhas escolhas foram sempre as mais acertadas, embora as menos votadas.
Faço parte de um grupo de moto turismo onde tenho amigos das mais variadas cores clubísticas, tive nas ultimas eleições amigos candidatos em todas as listas politicas, não tive adversários políticos, porque não fui candidato por nenhuma lista.
Tanto no moto turismo como na politica não tenho inimigos, sabendo contudo que pelo meu comportamento frontal, ás vezes duro, crio algumas inimizades, que até estimo e cultivo.
Fruto talvez, da formação que tive na Força Aérea Portuguesa, aprendi a respeitar os Generais que me elegem como parte das suas tropas sempre pronto a segui-los nas maiores adversidades, não aceno a cabeça em sinal de obediência, disponível a desertar ao menor sinal de perigo.
Ouço, ouvi, por Penamacor, recados, desabafos de alguém em voz de surdina, desejosos e prontos a eleger generais, que na necessidade do confronto com a verdade, tudo se negam a confirmar.
Sr. Presidente em fim de mandato
Trinta, sim trinta foram as Cartas Abertas que lhe enviei nos últimos anos, cartas que talvez nunca tenha lido, deu a ler, certo é que algumas surtiram o efeito pretendido, onde lhe manifestei as minhas observações, o meu descontentamento pela danosa gestão do destino das gentes e do concelho de Penamacor.
Os meus conselhos e dúvidas em Carta Aberta teriam ajudado a preservar e a edificar um concelho melhor. Fez vingar a certeza da sua teimosia.
O Sr. fez do Povo do Concelho de Penamacor uma gente triste. Há funerais onde as pessoas circulam com mais alegria. Foi o coveiro rude da alegria conselheira e unidade concelhia.
Sem querer recordar a garrafal obra mamarrachal, relembro-lhe algumas, e que serão encargos futuros muito dispendiosos para as depauperadas finanças do município, com graves prejuízos para os munícipes:
- Mamarracho do Sumagral, Via Estruturante Sul, Muro da Vergonha, Rotunda das Aldeias, a localização do Monumento aos Combatentes do Ultramar, pasme-se no centro de uma rotunda e sem uma passadeira de acesso, Hotel, etc...
Apontei-lhe soluções alternativas, acredito que aceitá-las feriria o seu orgulho de presidente.
Mas ferido ele já está.
Quem como eu, analisou a pompa e a circunstância com que inaugurou os mamarrachos feitos, originando esquecimentos imperdoáveis, tal como o nome do Sr. Presidente da República na pseudo- via estruturante sul de quatro faixas ao lado de uma variante à Vila com apenas duas, ou então, foi um jeitinho ao Presidente da República, não convinha ligar o nome a tão vergonhosa obra, constatei que durante a campanha finda, não soube nem vislumbrei qualquer recente inauguração feita no concelho, não ouvi um elogio à sua obra feita, uma única palavra de apreço por parte dos candidatos concorrentes, aparte claro, os sempre submissos beija-mão de qualquer circunstância.
Observei sim, alguns esgares de saudade a rondar as caretas do escárnio.
Sr. Presidente em fim de mandato
A história da obra feita no Concelho de Penamacor já o cognominou como o Presidente dos Mamarrachos, essa mágoa herdará doravante e viverá com ela.
Perpetuar-se-á por gerações o cognome, enquanto as obras forem visíveis.
Acabou o folhetim das eleições autárquicas, acabou o fait-diver da campanha eleitoral.
É tempo de pela primeira vez todos pensarmos no colectivo do concelho.
Para remissão de alguns dos seus pecados deixo-lhe um conselho para passar como testemunho ao novo Presidente eleito:
Não prometas o que não podes cumprir. Faz apenas o que puderes.
A começar por chamar as gentes ao concelho.
Cá estarei para dar o meu contributo, farei um apanhado das sugestões apresentadas nas minha cartas abertas:
- Confraria do Madeiro; Rota das Fontes; Rota das Romarias e Capelas; de cariz religioso, o Concelho é riquíssimo em oferta desconhecida; Rota dos baluartes....
Sr. Presidente em fim de mandato
Os sábios estão cheios de dúvidas
e os ignorantes cheios de certezas
Logo, uma das coisas mais perigosa na política é falar sem ter nada que dizer.
Termino, com a esperança que o novo presidente eleito, e todos os eleitos que o acompanham, se algumas das minhas sugestões relatadas lhe der suporte para uma base de trabalho, se avaliada e melhorada for, em prol do desenvolvimento do concelho, isso me dará um orgulho que não escondo.

Zé Morgas