Número total de visualizações de página

terça-feira, 1 de setembro de 2009

Carta Aberta VII - Sr. Presidente C.M.Penamacor

Sr. Presidente
Passei os meus últimos dias de lay-off em Penamacor. Resolvi fazer uns passeios por lugares com motivos, que já foram assunto neste meu blogue. Não quero de forma alguma ser repetitivo nos alertas feitos, mas como as eleições autárquicas estão próximas, e afim de evitar que algumas situações até tenham algum aproveitamento, que não o que eu pretendo, que é, somente ver as coisas arranjadas e a minha vila bonita. Assim, deixo-lhe aqui três alertas e três soluções:
1º - Mamarracho do Sumagral Pela primeira vez subi ao mamarracho. Vi lá umas crianças a brincar e queixavam-se do estado do piso. Vergonhoso e perigoso o que vi. Se alguém se ali aleija, leva essa câmara com uns processos em cima. Solução: Demolir pura e simplesmente o mamarracho. O largo precisa sim, de algo que atrai-a pessoas, não de algo que as afaste, que as aleije. 2º - Grade junto ao Museu Foi reparada a base do pilar de pedra, mas, continua por soldar a grade. Está suportada numa frágil ripa de madeira. Qualquer abanão destrói novamente o que foi feito. Solução: Mandar soldar a grade o mais rapidamente possível. 3º - Vandalismo Alguém arrancou alguns elementos do gradil das condutas de águas pluviais, junto à escadaria de acesso ao jardim e lançou-as para o barranco. O mesmo sucedeu com parte do reservatório / suporte do saco do lixo, situado junto ao museu As grades deveriam estar fixas, tal como estão algumas noutros pontos da vila. Sempre dificulta a remoção.
Sr. Presidente
Sei que a culpa não é sua, e deve-lhe dar o mesmo desgosto que a mim me dá, ver o vandalismo causado nas coisas que são de todos nós. Contudo, pode o Sr. Presidente, em colaboração com a autoridade local, discutir e criar as sinergias necessárias, para evitar que tais actos aconteçam. E outros, como furtos. Rara é a vez que vou a Penamacor e não ouço falar de assaltos, até mesmo à casa de que Vª Exa. é Presidente. Vandalismos, furtos, nada se descobre, tudo passa impunemente, menos uma inofensiva e pobre mota parada à frente de um bar, junto ao dono, que dela falava com paixão. Aconteceu comigo, na minha penúltima estadia em Penamacor Com milhares de quilómetros percorridos por Portugal de Lés a Lés, Espanha, Marrocos, tinha de ser multado na minha terra natal. Até aceitaria o facto, e pagaria de bom gosto, se deixasse a mota naquele local, estacionada, abandonada durante a noite, a impedir a circulação de veículos. Não era esse, na realidade o caso. Já vi isso em Penamacor, carros nos passeios, carros a ocupar três lugares de estacionamento, com total falta de respeito pelos demais utilizadores, carros a ocupar a praça de táxis, em contra-mão, etc. novamente vi isso este fim de semana passado e nos mesmos locais. Não era o caso, eu estava a dois metros da minha mota, e, quinze ou vinte minutos depois abandonaria o local junto com a minha mota. Foi levantado o auto de infracção e sou confrontado com pagar, assinar, receber. Como era a primeira vez que me via em tal situação, e até porque a linguagem usada me levou a interpretações dúbias, nada paguei, assinei ou recebi. Interroguei o Sr. Agente se achava justo a sua actuação, disse-me que sim. Mas, que outra resposta poderia esperar. Na manhã seguinte, ao sair de casa, quando me preparava para me deslocar até ao posto local, reparo que algo de anormal se passava frente à Casa do Benfica em Penamacor. Fui até lá. Mais que a curiosidade, moveu-me o facto de ter sido também, um fundador daquela Casa. - O que se passa? - Foi assaltada durante a noite, disseram-me.
Que ironia, Sr. Presidente
Na noite em que a minha mota foi multada, a casa do Benfica foi assaltada. Ouço frequentemente relatos em Penamacor de outros casos, roubos, ninguém vê nada, nada se sabe, pouco, ou nada mesmo se descobre. Mas uma mota, junto ao dono, que dela falava com paixão, para rapazinhos amigos, que a mesma paixão alimentam, e o sonho têm, de um dia ter uma, parada numa rua em que dias haverá, por certo, nem um carro lá passará. Aproveitei para fazer um passeio pedonal, e fui até ao posto local, na periferia de Penamacor. Identifiquei-me e fui atendido pelo comandante do posto. Com clareza, explicou-me as minhas dúvidas sobre o pagar, assinar, receber os meus documentos. Como o atrás descrito, manifestei-lhe o meu desagrado pelo sucedido, alertei-o para as situações vistas, viaturas mal estacionadas, ruas “entupidas”, assim estiveram toda a noite, assim continuavam depois de eu ter regressado do posto, e levei muito tempo a caminhar a pé. Tive o cuidado de tirar umas fotos, tenho o registo em suporte digital. Igualmente lhe dei conta da ironia que é, ver uma pobre mota parada, por uns momentos numa via, que tenho a certeza, que aquela hora, ninguém incomodaria. Incómodo sim, o facto de o carro da patrulha ter estado sempre a trabalhar, o ruído é nocivo, o gasto de combustível era desnecessário, tal com a consequente emissão de CO2, que o ambiente e o planeta em nada agradece. A viatura naquela situação, também com as luzes ligadas, fornecia sem dúvidas, a exacta localização onde se encontrava a patrulha de serviço. Facilitava a vida aos ladrões, e também aqueles que praticam esses actos de vandalismo. Igualmente lhe dei conta da ironia que é, ter provavelmente a Casa do Benfica em Penamacor sido assaltada, aquela hora em que um cidadão respeitador, cumpridor dos seus deveres, pagador dos seus impostos, estava a ser multado Perguntei-lhe por onde teriam andado durante a noite, os olhos tão rigorosamente observadores, que apenas viram a minha mota. Não será de todo igual, enfrentar uma mota inofensivamente parada, ou alguém, disposto a roubar, assaltar, vandalizar, talvez armado e munido com um pé de cabra. A julgar pelos vestígios na porta da casa, tudo me leva a crer, ter sido o “auxiliar” usado no arrombamento.
Sr. Presidente
Penamacor não é digna de tanto roubo e tanto vandalismo.
Zé Morgas

2 comentários:

  1. Caro amigo Morgas adorei o que li ainda para mais porque me vi a mim, Stela pires na mesma situação no dia 4 de março de 2006 a ser multada, juntamente com mais 2 motas de 2 amigos que tinha convidado para irem conhecer a pacata cidade de Penamacor.Fiquei completamente indignada pois fizeram-no as escondidas de dentro do carro com o pescoço esticado a retirar a matricula das motos.Foi curioso uma chegou dia 6, outra dia 7 e a outra dia 8. Para mostrar trabalho possivelmente só passam multas e 1 por dia.Talvez daí não haja tempo para o resto das coisas.O bom da policia em Penamacor é dificultar a vida a quem não incomoda.Agora assaltos?Casos de atropelamento que originam morte de pessoas?Não, isso já é demais!Viva A Policia de Penamacor que deixa morrer pessoas para andar a passar multas.
    Stela Pires

    ResponderEliminar
  2. Belo texto, Zé. Coragem e dedicação. Infelizmente, com queixas de sobra pelo que se passa na nossa Vila e no nosso Concelho. Apetece, digo que é mesmo uma necessidade clamar, com Cícero: -"Quo usque tandem Catalina, abuteris patientia nostra?"
    Até quando???

    ResponderEliminar